sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Do Conhecimento Discursivo

Para compreender o mundo, para "não mergulhar no caos", a razão supera as informações concretas e imediatas que recebe, organizando em conceitos ou ideias gerais que, devidamente articulados, podem levar à demosntração e a conclusões consideradas válidas. Diferentemente da intuição, a razão é por exelência a faculdade de julgar. Chamamos conhecimento discursivo o conhecimento mediato, isto é, aquele que se da por meio de conceitos. Esse tipo de pensamento opera por etapas, por encadeamento de ideias, juízos e raciocínios que levam a determinda conclusão.

Para tanto, a razão precisa realizar abstrações. Abstrair significa "isolar", "separar de". Fazemos abstrações quando isolamos, separamos um elemento de uma representação, elemento esse que não é dado separadamente na realidade.

Quando vemos um cinzeiro,podemos ter a imagem dele, uma representação mental de natureza sencível e de certa forma concreta e particular, porque se refere àquele cinzeiro especificadamente. Ao abstrairmos, porém, isolamos essas caracteríticas por serem secundárias, e consideramos apenas o "ser cinzeiro". Rusulta daí, o conceito ou ideia de cinzeiro, que é a representação intelectual do objeto e, portanto, imaterial e geral. Ou seja, a ideia de cinzeiro não se refere àquele cinzeiro particular, mas a qualquer objeto que sirva para recolher cinzas.

O matemático reduz as coisas que têm peso, dureza e cor à pura quantidade. Por exemplo, quando dizemos 2, consideramos apenas o número dois, sem nos importarmos se são duas pessoas ou duas frutas. A lei cintífica também é abstrata. Quando concluímos que o calor dilata os corpos, abstraímos as características que distinguem cada corpo para considerar apenas os aspéctos comuns àqueles corpos, ou seja, o "corpo em geral", enquanto submetido à ação do calor.

A apropriação intelectual do obejeto supõe a regularidade dos acontecimentos do mundo; caso contrário, a consciência nunca poderia superar o caos. Por exemplo, Kant diz: "se o cinábrio (minério de mercúrio) fosse ora vermelho, ora preto, ora leve, ora pesado... minha imaginação empírica nunca teria ocasião de receber no pensamento, com a representação da cor vermelha, o cinábrio pesado".

Ora, quanto mais abstrato um conceito, mais nos distanciamos da realidade concreta. esse artifíco da razão é importante para a superação do "aqui e agora" e a elaboração de hipóteses explicativas do real. No entanto, toda vez que a razão se distancia do vivido, o conhecimento se empobrece, sob algum aspecto. Na filosofia contemporânea, a crítica às formas do racionalismo exarcebado fez com que pensadores como Bergson, Dilthey e Husserl retomassem as discussões sobre o valor da intuição no processo do conhecimento.

Da mesma maneira, permanecer no nível do vivido e da intuição impede o distanciamento fecundo da razão que interpreta e critica. O conhecimento se faz, portanto, perla relação, entre vivência e teoria, entre concreto e abstrato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário